segunda-feira, 18 de junho de 2012

Aprenda a revindicar seus direitos,por mais loucos e simples que eles pareçam....



Nao importa que "louco" voce possa achar que algum de nossos clientes

possam ser, eles podem estar certos. Uma queixa foi recebida pela

Divisao Pontiac da General Motors: Esta e a segunda vez que eu escrevo

a voce e nao os culpo por

nao me responder, porque eu posso parecer louco, mas o fato e que nos

temos a tradicao em nossa Familia de ter sorvete como sobremesa toda

noite apos o jantar. Mas o tipo de sorvete varia, entao toda noite, apos

termos jantado, toda familia vota em um sabor de sorvete e eu me dirijo

ate a loja para compra-lo. Recentemente comprei um novo Pontiac e

desde entao minhas idas a loja tem sido um problema. Veja voce, toda

vez que eu compro sorvete de baunilha, quando eu

volto da loja para minha casa, o carro nao funciona. Se eu levo

qualquer outro tipo de sorvete, o carro funciona bem. Eu quero que voce

saiba que estou sendo serio em relacao a esta questao, nao importa quao

tola ela pareca: "O que acontece com o Pontiac que o faz nao funcionar

quando eu compro sorvete de baunilha, e funciona toda vez que compro

outro sabor? `"

O presidente da Pontiac ficou sem compreender a carta, mas enviou um

engenheiro para checar o assunto. Este ficou surpreso por ter

sido recebida por um homem bem sucedido e educado, de bons

relacionamentos. Ele combinou de encontrar o homem logo apos o jantar.

Os dois entraram no carro e se dirigiram ate a loja de sorvetes.

Naquela noite foi escolhido o sorvete de baunilha, certo o bastante de

que depois que retornassem ao carro, ele nao iria funcionar.

O engenheiro retornou por mais tres noites. Na primeira noite, o homem

escolheu o sabor chocolate. O carro funcionou. Na segunda noite ele

escolheu morango. O carro funcionou. Na terceira noite, ele pediu de

baunilha. O carro falhou . O engenheiro sendo um homem logico,

recusou-se em acreditar que o carro daquele homem era alergico a

baunilha.

Ele, entao, combinou de continuar as suas visitas ate que conseguisse

resolver o problema. Comecou a fazer anotacoes: Anotou todos os tipos de

dados, hora do dia, tipo de combustivel usado, hora de dirigir, etc. Em

pouco tempo, ele tinha uma pista: O homem levava menos tempo para

comprar o sorvete de baunilha do que qualquer outro sabor. Por que? A

resposta estava na disposicao da loja. Baunilha, sendo o sabor mais

popular, estava numa caixa separada na frente da loja para ser pego

rapidamente. Todos os outros sabores eram mantidos nos fundos da loja,

num outro balcao, onde se demorava consideravelmente para serem

pegos. Agora a pergunta para o engepreender a carta, mas enviou um

engenheiro para checar o assunto. Este ficou surpreso por ter

sido recebida por um homem bem sucedido e educado, de bons

relacionamentos. Ele combinou de encontrar o homem logo apos o jantar.

Os dois entraram no carro e se dirigiram ate a loja de sorvetes.

Naquela noite foi escolhido o sorvete de baunilha, certo o bastante de

que depois que retornassem ao carro, ele nao iria funcionar.

O engenheiro retornou por mais tres noites. Na primeira noite, o homem

escolheu o sabor chocolate. O carro funcionou. Na segunda noite ele

escolheu morango. O carro funcionou. Na terceira noite, ele pediu de

baunilha. O carro falhou . O engenheiro sendo um homem logico,

recusou-se em acreditar que o carro daquele homem era alergico a

baunilha.

Ele, entao, combinou de continuar as suas visitas ate que conseguisse

resolver o problema. Comecou a fazer anotacoes: Anotou todos os tipos de

dados, hora do dia, tipo de combustivel usado, hora de dirigir, etc. Em

pouco tempo, ele tinha uma pista: O homem levava menos tempo para

comprar o sorvete de baunilha do que qualquer outro sabor. Por que? A

resposta estava na disposicao da loja. Baunilha, sendo o sabor mais

popular, estava numa caixa separada na frente da loja para ser pego

rapidamente. Todos os outros sabores eram mantidos nos fundos da loja,

num outro balcao, onde se demorava consideravelmente para serem

pegos. Agora a pergunta para o engenheiro era por que o carro nao

queria funcionar quando se levava menos tempo.

Uma vez iniciado o problema - nao o sorvete de baunilha - o engenheiro

veio rapidamente com a resposta: Saida do vapor. Estava acontecendo

todas as noites, mas o tempo extra para pegar os outros sabores

deixavam o motor esfriar o suficiente para funcionar. Quando o homem

pegava o sorvete de baunilha , o motor ainda estava quente para o vapor

ser dissipado.


Moral da historia: Ate os problemas que parecem mais banais as vezes

sao validos. . . Entao, nunca devemos pre-julgar, ou dispensar um problema

em potencial relatado a nos por um cliente.

2 comentários:

  1. nossa q historia hein...

    bjooo

    respireecase.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nossa que coisa heim??/É cada coisa que acontece!!
    Flor,beijocas!!

    ResponderExcluir